• Receba informações e promoções de nosso site.


 

Notícias

Educação

Não tenho muito tempo para estudar. É possível competir com quem pode fazê-lo em tempo integral?

08/05/2015 às 19:10h

Atualmente, os concursos vêm ficando mais disputados, pois os salários atrativos e a estabilidade que os cargos públicos proporcionam caminham no sentido contrário ao da iniciativa privada.

Em termos de concurso, talvez uma dos maiores problemas das pessoas é o tempo que elas dispõem para estudar e, assim, questionam-se: "como seria possível um indivíduo que trabalha competir com quem tem o dia inteiro para estudar?"

Outro questionamento interessante é: "qual a melhor forma de estudar?"

Bom, é claro que não há formula mágica. Estudar é sempre necessário e não precisa ser nenhum mestre dos concursos para saber disso.

Muita mística gira em torno da primeira questão, o que, todavia, não condiz com a realidade.

Primeiramente, porque quanto menos tempo tem-se, melhor o indivíduo tende aproveitá-lo. Sim, passa-se a perceber que cada minuto de intervalo é importante e o dia fica cada vez mais "aproveitável" (ao menos, em regra) para a pessoa.

Não pense que estudar em quantidade é o mais importante, a leitura deve ter um ritmo para o qual você está habituado, de forma a assimilar bem tudo que é visto. Estudar 8 horas por dia não significa que você está a frente de alguém que estuda somente 2 horas por dia. Cada um tem um ritmo de estudo adequado e isso depende, também, do hábito de cada indivíduo

O cérebro necessita de tempo para absorver as coisas que vê e precisa de tempo para descanso. Por isso, de nada adianta estudar 20 horas por dia. A bateria, uma hora, esgota-se.

Algumas pessoas simplesmente nunca conseguirão atingir uma carga horária de estudos tão elevada, como alguns afirmam ter. No entanto, não significa que, com isto, estas pessoas não conseguirão passar em um concurso. A regularidade de estudos é mais importante que o tempo diário que você dispende para tal. A mente humana, assim como o corpo, costuma aprender na base da repetição, e não apenas da intensidade.

É natural ler um livro, não entender nada e, após uns dias (ou meses), começar a leitura do mesmo livro e perceber que tudo está ficando mais claro. Não, o livro não está diferente, a sua mente que está "aberta".

No que tange à forma de estudar, bom, cada um tem seu método mais eficaz, com o qual mais se adapta. Alguns gostam de vídeo-aulas, outros odeiam. Alguns amam responder exercícios, outros nem tanto.

Nem precisa ser tão regrado, basta que você se esforce.

Se você tiver foco e estudar de forma séria, não há dúvidas, a aprovação te espera.

Falando de mim, particularmente, nunca estudei de forma muito intensa, mas tenho estudado de forma contínua e, nas provas para estágio como do MPSC, por exemplo, passei em 1º. Não cheguei, sequer, a estudar PARA o Exame da Ordem dos Advogados do Brasil, mas fui aprovado na primeira tentativa. Recentemente, fui aprovado no cargo de técnico judiciário auxiliar do Tribunal de Justiça de Santa Catarina em (3º lugar entre aproximadamente 750 candidatos para a comarca e 17º entre aproximadamente 7500 candidatos para a região). É um sinal de que as coisas estão começando a melhorar.

Tudo tem um preço. Esperar a aprovação cair do céu não é uma opção válida. Seja com simples leitura de livros, de resumos, de sinopses, pelo tempo que você puder dispor, mexa-se.